Bienal de Cerveira representada no Festival RIOS III, Vila Real

Exposição Aqua-arte - Uma portuguesa sobre o rio Minho inaugura sábado em Tui (1)

Bienal de Cerveira representada no Festival RIOS III, Vila Real


A Fundação Bienal de Cerveira participa no Festival Rios – Festival Internacional de Cinema Documental e Transmedia, que decorre até hoje, em Vila Real, com um vídeo do projeto “Aquarte – Una mirada Galaico Portuguesa sobre o Rio Minho”. No total são 34 filmes a concurso, que retratam temas como o sexo na terceira idade ou doenças, e uma homenagem ao rio Minho.

O festival é organizado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), com o apoio da Câmara de Vila Real e, nesta terceira edição, com a parceria da cidade espanhola de Ourense.

Foi por causa disso que este ano a organização escolheu como protagonista do festival o Minho, rio que passa naquela localidade.

O Teatro de Vila Real e a UTAD vão ser o palco deste festival de cinema gratuito e aberto ao público onde, além da exibição de filmes, estão a ser realizados ‘workshops’, dinamizados pelos realizadores João Botelho, Jo Graell (Espanha) e por Anja Strelec (Croácia).

A mostra tem uma sessão especial de homenagem ao rio Minho com filmes cedidos pela Fundação Bienal de Cerveira, pela Associação “Ao Norte” e pelo realizador Miguel Filgueiras.

Anabela Oliveira, diretora do Rios, afirmou hoje que o lema do evento é “remar contra a corrente” e garantiu que é isso mesmo que está a ser feito, ao se apostar na continuidade deste festival no interior, enquanto outros fecham pelo país.

A responsável salientou ainda que, na edição deste ano, se ultrapassaram “todas as expectativas” com os 270 filmes que foram submetidos à competição, de realizadores de 40 países, “alguns longínquos” como a Malásia, Sri Lanka ou Singapura.

Destes, chegam à final 34 produções, de países como Espanha, França, Itália, Portugal, Brasil, Colômbia, Chile, Alemanha, Estados Unidos.

E os temas a que se debruçam são os mais variados, desde a importância do rio na vida das pessoas, mas também a luta contra o sistema, uma opressão, uma doença, o trabalho de jornalistas no Iraque e até o sexo na terceira idade.

“Temos temas muito fortes, documentários que nos fazem sair de lá quase com dores no estômago”, sublinhou a responsável.

A diretora afirmou que a missão principal deste festival é “fazer de Vila Real um ponto de encontro de realizadores e criar uma plataforma de discussão a nível do cinema documental”.

A gala de entrega de prémios decorrerá no dia 21 de março, onde será anunciado o palmarés Rios 2015 e distribuídos os prémios das edições de 2012 e 2103.

 

Com Lusa

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone